Link1 Link2 Link3 Link4 Link5 Image Map

Conto: O Ônibus e o Garoto

Untitled


Eu não sei como aconteceu. Eu me lembro da dor que eu sentia e de como ela impedia o sorriso de aparecer em meu rosto. Eu me lembro vagamente do que me fez tão triste. De quem me fez tão infeliz, ou talvez, de quem nunca me fez feliz.
Mas aquele garoto, desengonçado e alegre, apareceu de repente e expulsou tudo de ruim que pairava no ar. 
Lembro-me bem da noite sem estrelas, do ônibus que nunca chegaria e de como ele percebeu o quanto eu não estava bem. Ele me olhou, me observou, me estudou até decidir o que faria em seguida. E então ele tomou a decisão da noite: me fazer apenas sorrir.
Eu me lembro que além do sorriso que renasceu em meu rosto, lembro das gargalhadas. Lembro de como ele ria, de como eu também pude fazê-lo rir até ver todos os seus dentes. Eu já havia esquecido daquela sensação. Chorar de rir. Barriga doer. Rosto dormente.
Parecia que de fato já nos conhecíamos há tanto tempo e não apenas naquele breve momento, esperando o mesmo ônibus, na mesma parada. 
Esperávamos o ônibus e no fundo eu nunca quis que ele chegasse. Ao invés do ônibus, uma mulher, um pouco mais dos trinta anos, apareceu e nos informou que para chegar no lugar que queríamos, teríamos que nos dirigir a outra parada de ônibus. 
No caminho por entre as ruas desertas e a noite fria, ele fazia mais piadas em como nós esperaríamos até amanhecer o ônibus que nunca viria. Ele disse que ficaria com o banco da parada do ônibus para dormir, e eu teria todo o chão só para mim. Eu repliquei dizendo que tal ação não seria nada cavalheira e ele disse que cavalheiros não existiam. Por enquanto que discutíamos a existência do cavalheirismo, o tal ônibus esperado passou por nós com toda velocidade. A mulher grita:
"É o último!"
Lembro da mão dele segurando a minha, dele puxando o meu corpo e correndo como se a vida dele dependesse disso. Minhas pernas entretanto não foram tão agéis quanto as dele. Senti meu corpo sendo possuído pela adrenalina. Me visualizei dormindo no cadeira da praça, no chão da calçada ou no banco da parada de ônibus. 
E então eu parei abruptamente de correr e nossas mãos se soltaram.
Eu ofegava, respirava o ar gelado que entrou em choque com meu organismo quente. 
"Não desista, estamos quase lá" Ele disse. 
Eu respirava ainda ofegante. 
"Vá. E salve a sua vida" Eu disse forçando uma voz dramática. 
Ele soltou a maior das gargalhadas e puxou a minha mão. Senti meu corpo se movendo, ouvi ele reclamar dos saltos altos que eu usava. Minhas pernas doíam. 
Finalmente, lá estava O ônibus. Parado onde devia. Conseguimos alcançá-lo a tempo, mas pensei que nunca mais recuperaria meu fôlego de volta. 
Nós subimos para o primeiro andar do ônibus. Apenas nós dois e uma senhora quase adormecida em um dos bancos. Ele sentou na cadeira em frente a minha sem ofegar, aparentemente entretido com a minha situação. Eu exigi que ele parasse de se divertir ás minhas custas. Ele não parou. Me visualizei correndo desajeitada, com saltos altos, sem fôlego, quase tropeçando e não pude conter a risada. 
Nós rimos. Não paramos. E ele riu da minha risada, acusando-a de ser esquisitamente engraçada. Joguei um papel amassado na cara dele. Ele abriu a boca fingindo indignação e jogou o papel de volta em minha direção. Ele errou feio. Eu ri da sua mira. Ele me atirou outro papel, acertando a nuca da senhora quase-adormecida. Ele se desculpou com a senhora que nos fuzilou fazendo a mais feia das caras. Eu tentei abafar o riso. Falhei. Minha risada ecoou no ônibus. Ele pôs a mão na boca, porém a inevitável risada escapou por entre os seus dedos e ele riu tão alto quanto eu.
Depois dessa noite, eu me senti como se nada de ruim se quer tivesse me atingido um dia. Ou melhor, me senti como se no mundo não existisse algo ruim o suficiente para me atingir. 
Sei que voltaríamos a nos ver. Eu e o garoto que me fez esquecer. 
Eu, ele e a senhora quase-adormecida. 
Não sei se cavalheirismo existe, mas destino, esse sim eu sei que existe. 


Luana Tenorio Pestana
4

Resenha: Maze Runner #1

Maze Runner - Correr ou morrer (Vol. 1)



Título: Correr ou Morrer
Título Original: The Maze Runner
Autor(a): James Dasher
Editora: Vergara & Riba
Ano: 2010
Páginas:  426




Uma série fantástica escrita por James Dashner e muito longe do que eu imaginava que seria. Maze Runner é um thriller asfixiante, repleto de ação e suspense psicológico. 
Primeiramente, você começa a leitura achando que o começo será bem introdutório, conhecerá sobre a história do personagem principal, Thomas. Só que não. O livro já começa com Thomas moribundo, acabando de voltar a consciência sem memória alguma, jogado em uma caixa mecânica que passa meia hora apenas subindo, subindo e subindo. Você, leitor inocente, não sabe de nada, o Thomas não sabe de nada (apenas o primeiro nome) e só. Quando o elevador para e uma porta se abre, Thomas dá de cara com vários outros garotos, idades aparentemente variando de 13 á 18. Todos eles já esperavam por Thomas:
"Bem-vindo à Clareira, Fedelho". 
A clareira. Um espaço aberto cercado de muros gigantescos. Nem Thomas, nem os outros garotos sabiam como foram parar ali, apenas que os portões do muro se abrem de manhã e fecham a noite. E que a Clareira é um lugar seguro comparando com o que vivia além dos muros. Você tem o contato com o lugar (ok),mas o leitor só descobre mais sobre essa sociedade esquisita e como a coisa toda funciona junto com Thomas (não ok). Os Clareianos apenas agem com naturalidade em relação a Thomas pois todo mês chega um Fedelho novo pela caixa mecânica com trocentas perguntas, geralmente as mesmas e ninguém lá estava com muita paciência para explicar coisas que nem eles mesmos entendiam direito.
Resumindo: Thomas tinha mil e uma perguntas, mas as respostas demoraram a chegar. Outras, aparentemente nunca viriam. 

"O que foi que eu fiz? - Sussurou, ainda que suas palavras não se dirigissem a ninguém. - O que foi que eu fiz... Por que me mandaram para cá?
Newt deu-lhe um tapinha no ombro.
- Fedelho, isso que está sentindo todos nós já sentimos. Todos tivemos o Primeiro Dia, ao sair daquela caixa escura. As coisas são ruins, são mesmo, e ficarão muito piores para você em breve, essa é a verdade. Mas, depois de algum tempo, vai se sentir conformado e satisfeito. "
No começo, os caras não dão muita informação para Thomas, ou seja, o leitor fica mais perdido que o próprio personagem principal. Mas é exatamente isso, esse desejo de entender as coisas que te prende nesse livro, e quanto mais coisa você descobre e mais respostas você obtém, mais duas perguntas surgem no lugar. É um tormento. Um tormento que vale a pena.
O muído todo começa quando um fato altera radicalmente a rotina do lugar: Chega uma garota pelo elevador, a primeira enviada á Clareira. E mais surpreendente ainda é a mensagem que ela traz consigo. Thomas será mais essencial do que imagina, mas para isso terá que desvendar os segredos da sua mente e correr... Correr muito.
Esse livro embrulhou meu cérebro, meu psicológico, meu  cotidiano. Eu me dediquei a ele as horas do meu precioso dia e quando eu terminei foi inacreditável. Você saí da doideira para entrar em outra. (É isso mesmo, James Dashner?). E se eu dirigisse, pode ter certeza que ao invés de estar aqui escrevendo uma resenha mal feita para esse livro, eu estaria na Saraiva comprando a droga do volume dois. 
Sinceramente, eu só comprei esse livro por dois motivos: 
1) Maze Runner estava em segundo lugar dos mais vendidos na The New York Times, na seção de Sagas. E eu nunca tinha ouvido falar! Ele estava ganhando de Instrumentos Mortais e Jogos Vorazes, e eu nunca na minha vida tinha ouvido falar. 
2) Além disso, eu adorei o trailer do filme que vai lançar esse ano. Me interessei pela história e tudo mais. E pronto, dias depois estava com o livro nas mãos.

A história de Maze Runner não se parece nada com Divergente ou Jogos Vorazes, mas existe  essa coisa toda de submeter jovens á tarefas de "adultos", lidar com a morte e com a luta pela sobrevivência desde cedo, essas características me lembraram as duas séries citadas. Porém, Maze Runner é de 2009, ou seja, é mais antiga que ambas as sagas. Não digo que ele seja melhor ou pior. As três possuem um conteúdo pesado, com violência entre jovens, matança a sangue frio (essas coisas...), porém para quem é acostumado com esse tipo de livro, não se surpreenderá com Maze Runner nem um pouco. É até mais "light". Eu acho que quem gostou de Divergente e Jogos Vorazes e está buscando algo do mesmo gênero, você acabou de encontrar. Vá numa livraria mais próxima e divirta-se. 


"Onde eu estou? - Quis saber Thomas, surpreso ao ouvir a própria voz pela primeira vez até onde conseguia se lembrar. 
- Um lugar nada bom. - A resposta partiu do rapaz de pele escura - Agora procure relaxar e acalmar-se"



" - Mas que droga, estou com medo.
- Mas que droga, você é humano. Então tem de estar com medo. "

Corra e não morra. Lembre e sobreviva.

TRAILER DO FILME:




3

Conto: As três marias



Foi tão lindo: A forma que ele colocou a insegurança dela pra dormir. A forma como ele mergulhou em seus olhos, devorou todos os seus medos e provou os sonhos que ela mantinha enrolados debaixo de seus ossos.
A praia deserta, céu estrelado, deitados sob a areia e as mãos quase se tocando.
Ela soluçou por enquanto que enxugava as lágrimas quentes do seu rosto.
"Você sentiu isso?" Ela perguntou enquanto observavam as estrelas e a lua iluminar o mar diante deles.
"Diga-me que você sente isso".
Ele com um sorriso tão cheio de verdade que poderia mover as nuvens, disse a ela:
"Claro que eu sinto. O coração em você, é o coração em mim".
Satisfeita com a resposta, ela segurou a mão dele e apertou, olhando para as três estrelas alinhadas no céu entre tantas outras que brilhavam lá. O barulho das ondas chocando-se na água se misturavam com o som de suas respirações pesadas. Foi quando ela se aproximou dos braços dele e eles a envolveram, embalando-a em seu peito. Era como assistir o pôr do sol ao longo de um exaustivo horizonte, ele pensou ao vê-la caindo no sono suavemente em seus braços. As temperaturas deles estavam entrando em perfeito equilíbrio e o frio não o incomodava mais. Não haveria lugar melhor para se estar a não ser ali, inalando o cheiro do seu perfume, sentindo os fios dos cabelos dela por entre seus dedos, ouvi-la respirando fundo e soltando o ar quente de seus pulmões.
"Fique", ele sussurrou no seu ouvido, despertando-a.
"Não vou a lugar algum, estou aqui", ela disse com a voz entrecortada.
"Mas você partirá", ele falou sem tentar esconder sua angustia e a inquietação que o pensamento de vê-la ir embora trouxe consigo.
Ela o encarou com seu sorriso singelo que o confortava apenas de vê-lo em seu rosto.
"Olhe para estrelas", ela pediu e ele o fez  "Não importa onde estejamos, elas estarão amanhã onde estão hoje , com o mesmo brilho, olhando para nós. Elas são como um dia eu serei. Fisicamente distantes, mas sempre presentes".

Luana Tenorio Pestana
Inspiracao: Christopher Poindexter
3

Vento, sol e correnteza

Paradise ☯ | via Tumblr

E o vento soprava meus cabelos, afastando-os do meu rosto. Sentia o cheiro salgado do mar invadindo meu peito e se espalhando pelo corpo, o enchendo de vida. E é dessa vida que eu sentia falta. Ter a pele queimada pelo sol, a areia da praia por entre meus dedos, o cheiro do sargaço. Parecia um sonho antigo, preenchido pela nostalgia das memórias. O frio não te faz ser fria, mas garanto que o sol te faz quente, te faz feliz. E o calor da vida é tão necessario quanto qualquer outra coisa. Soa, vida. Soa e expele tudo de ruim que estava preso em tua alma. Se embala nesse vento e voa. Voa até encontrar o amor novamente, por entre as nuvens que te abraçam e te aconchegam zelosas. Enxergue os raios do sol de perto e queima de leve. Sente o fervor do amor.
A maré ás vezes se afasta, mas ela sempre volta. Talvez mais cheias de espumas do que anteriormente. Sorria ao seu regresso. Deixe a correnteza te levar. Confia na correnteza da vida. Flui com ela. Mesmo que ela te leve as geleiras, mesmo que ela te leve onde você não possa expor sua pele queimada. Mesmo que ela te leve para as ruas de pedras. Mesmo que ela te leve para lugares que você nunca imaginou que estaria. Confia. Não vá contra a correnteza. Boia e deixe que ela te leve.  Ela pode te carregar pra conhecer o mundo. Você pode compreender tantas coisas que vai além da vista da sua antiga janela. O sol será o mesmo. Aprende com os novos oceanos. E mesmo que os grãos de areia que você está pisando agora sejam diferentes, não deixe que isso te assuste. Abraça o diferente. 
E você sente na pulsação do seu coração, que você ama por onde passa. Que você ama quem você conhece. Você ama a vida que tem. Só olha pro céu e agradece. 

Luana Tenorio Pestana
20

Conto: Diário da Casa na árvore


Uma fresta de luz atravessa minha janela acordando-me de um sonho que me fazia sorrir. Meus olhos se abrem lentamente para a manhã luminosa, respiro fundo e sinto o meu peito se encher de ar quente. Abro a cortina e permito a passagem de toda a luz em meu quarto. Encarando o sol com os olhos semicerrados, penso no dia em que acordarei tão radiante quanto ele.
Após me arrumar adequadamente para passar o dia sozinha, desço as escadas segurando “O diário de Anne Frank” e rumo até a varanda.
Encaro a cadeira de balanço, o lugar onde eu sempre lia meus livros. Encaro os arredores da fazenda, está tudo tão diferente da última vez em que estive aqui.
A relva da fazenda está em um tom de verde nunca visto antes, as árvores mais coloridas, os animais saíram dos seus abrigos, agora pastam e passeiam livremente. “Para qualquer pessoa que se sinta só ou infeliz, ou que esteja preocupada, o melhor remédio é sair para o ar livre, ir para qualquer parte, onde possa estar só com o céu e com a natureza, e com Deus. Então compreende que tudo é como deve ser e que Deus quer ver os homens felizes no meio da natureza, simples e bela”. Caminho até uma árvore, alta e frutuosa, e sento encostada em seu tronco. Abro as páginas do Diário e retomo a leitura cessada na noite anterior.
“Enquanto puderes erguer os olhos para o céu, sem medo, saberás que tens o coração puro, e isto significa felicidade”.
O céu azul-piscina, com suas nuvens errantes brincam de mudar de forma. Sereia. Urso. Gavião.
“Creio que a natureza alivia os sofrimentos.” Sentia falta dessa paz. “Meu conselho é: Saia. vá para o campo, aproveite o sol e tudo que a natureza tem para oferecer. Saia e tente recapturar a felicidade que há dentro de você; pense na beleza que há em você e em tudo ao seu redor, e seja feliz."
É um bom conselho, Anne.
Fito a casinha da árvore que fica próximo do pequeno lago. Lembranças me atingem feito rajadas. Duas crianças costumavam brincar lá, chamavam de segundo lar. As paredes eram rabiscadas com palavras e desenhos, traçados com amor. Lá eram guardadas todas as coisas consideradas espetaculares, achadas pelos arredores da fazenda. Eles adoravam explorar.
A floresta que circundava a fazenda era perfeita para as suas aventuras, passeavam e colhiam tudo que lhes intrigavam. Tudo que as crianças faziam eram juntas, nunca separadas. Um precisava do outro. Ele tinha a astucia de um verdadeiro explorador, ela tinha a sabedoria para agir com prudência. Um era o complemento do outro.
O tempo passava despercebido, eles cresciam despercebidos. A forma de enxergar o mundo era indiferente, porém eles já não enxergavam um ao outro da mesma maneira. A cada novo dia, ela percebia mudanças na aparência do garoto. Pensava a menina que ele nunca poderia ficar mais bonito do que já é. Ela estava terrivelmente enganada.
As horas insistiam em passar depressa enquanto estavam juntos, o menino falava o quanto gostava dos cavalos da fazenda. Um dia o pai dele os colocou em um manso cavalo marrom, o garoto pediu para que ela envolvesse seus braços em sua cintura para não cair. Foi a primeira vez que ela sentiu-se estranha ao toca-lo, sentiu-se segura também.
Quando a garota completou 13 anos, uma noticia a desmoronou. Ao ver as malas arrumadas, suas coisas empacotadas em caixas de papelão velho, percebeu o que estava por vir. Deixaria tudo pra trás. Ela sentia-se vazia, oca. O garoto apenas observava de longe, impassível. No carro, ela pode observar a fazenda pela última vez, lágrimas escorriam pelo seu rosto. Seus olhos avistaram o menino que estava vendo-a partir, encostado na porta do estábulo. Sua franja bagunçada revelava seus olhos marejados, uma única lágrima percorreu pela sua face, mas ele não a limpou disfarçadamente como sempre fazia quando chorava, apenas deixou que escorresse.
“Recordações valem mais do que vestidos.”. Afasto o passado da cabeça e retorno a leitura.
 “Quem é vivo sempre aparece”.
Finalmente. A voz aveludada que eu tanto esperei ouvir, facilmente reconhecível, mesmo depois de tantos anos sem escutá-la... Eu a reconheceria em qualquer lugar, situação ou circunstância. “Para amar alguém, a primeira condição é poder admirar - admirar e respeitar”.
Olho para cima já sabendo da beleza que inundará o meu campo de visão.
Como eu disse, lá estava ele, apoiando a mão no tronco da árvore me fitando com seus olhos cor de mel. Seu cabelo preto cobrindo um dos olhos, o velho chapéu de cowboy, a mesma camisa flanelada e aquele meio sorriso torto escondendo os dentes, revelando a covinha minúscula porém perceptível aos meus olhos.
– É bom estar de volta – Sorri, fechando o livro e colocando-o na grama ao meu lado.
37

As vantagens de ser invisível

Tumblr_m320kb2y6g1r6gy68o1_500_large


Acabei de terminar de ler o livro e não tem hora melhor para escrever sobre ele do que essa. Tudo ainda está fresco na minha mente.
Desculpem a demora para postar, não estava com muitas ideias para post, mas estou preparando algo bem especial para ficar postando no blog! Espero mesmo que gostem da resenha, estava bem inspirada ao escrevê-la.

Então, antes de falar realmente do que se trata o livro, quero dizer da minha relação com ele.

As Vantagens de Ser Invisível

Autor: Stephen Chbosky
Editora: Rocco
Ano: 1999 Edição brasileira: 2007
Gênero: Jovem-adulto
Nº de páginas: 223

Sinopse:
Ao mesmo tempo engraçado e atordoante, o livro reúne as cartas de Charlie, um adolescente de quem pouco se sabe - a não ser pelo que ele conta ao amigo nessas correspondências -, que vive entre a apatia e o entusiasmo, tateando territórios inexplorados, encurralado entre o desejo de viver a própria vida e ao mesmo tempo fugir dela.
As dificuldades do ambiente escolar, muitas vezes ameaçador, as descobertas dos primeiros encontros amorosos, os dramas familiares, as festas alucinantes e a eterna vontade de se sentir "infinito" ao lado dos amigos são temas que enchem de alegria e angústia a cabeça do protagonista em fase de amadurecimento. Stephen Chbosky capta com emoção esse vaivém dos sentidos e dos sentimentos e constrói uma narrativa vigorosa costurada pelas cartas de Charlie endereçadas a um amigo que não se sabe se real ou imaginário.
Íntimas, hilariantes, às vezes devastadoras, as cartas mostram um jovem em confronto com a sua própria história presente e futura, ora como um personagem invisível à espreita por trás das cortinas, ora como o protagonista que tem que assumir seu papel no palco da vida. Um jovem que não se sabe quem é ou onde mora. Mas que poderia ser qualquer um, em qualquer lugar do mundo.


Primeiro, ele me surpreendeu. Eu peguei o livro pensando que ia ser mais uma história sobre o garoto que passa por problemas relacionados à escola, garotas e família. Como outros que já havia lido. Mas não, além dessas três coisas, há também problemas psicológicos, drogas, sexo e por aí vai... 

Eu adorei a forma do livro ser em cartas, porque torna a linguagem mais jovem e não cansa. (Isso foi muito aliviante, porque eu estava lendo um livro em que tinha que recorrer ao dicionário algumas vezes)


Charlie, o narrador-personagem, é problemático. Ele é estranho, mas um estranho bom. Um menino esquisito, mas que dá vontade de ser amigo dele mesmo assim. Perdi as contas de quantas vezes fiquei boquiaberta com as atitudes dele. Seus pensamentos não são pensamentos de um garoto comum. Nem nessa idade e nem em nenhuma outra. Posso dizer com certeza que há pessoas que nascem e morrem, mas nunca terá aquele pensamento que Charlie teve naquele momento. Ele é diferente e por isso se sente deslocado. É consciente que tem problemas, mas quando uns os vêm exatamente dessa forma "esquisitão", outros vêem como Especial. 

Os problemas começam depois que ele tem de passar pela a morte do seu grande amigo Michael, e também da sua Tia Helen, que era a pessoa de quem ele mais gostava no mundo e ele se sente culpado pela sua morte, pois diz ele que sua tia estava saindo para comprar seu presente de aniversário. (O aniversário de Charlie é no dia 24 de dezembro, Tia Helen era a unica que lhe dava dois presentes).
Mas não pretendo abordar muito da história, a sinopse já te dá uma boa base.


Charlie é um garoto bom, que se envolve com coisas ruins, mas ainda continua sendo um garoto bom. Consegue fazer amigos, e são eles que o fazem melhorar a cada dia.
No início é interessante a forma que ele se importa mais com a felicidade dos outros do que com a sua própria, mas depois se torna um pouquinho doentio.


Segundo, eu indicaria o livro para todo mundo. Acho que todo mundo deveria lê-lo, mas não. O livro não é para todas as idades. Não poderia indicar para alguém de 12 anos. Eu me assustaria com o livro se eu o lesse com 12 anos. (Eu ainda queria que alguém me dissesse 'esteja preparada para ler' porque mesmo tendo 17 anos, eu me assustei. No bom sentido.)


Terceiro, o final não poderia ser melhor. Se há alguém que ficou insatisfeito com o final, esse alguém se acostumou com finais perfeitos. Finais onde tudo tem que está perfeitamente feliz, onde o protagonista conseguiu tudo que queria.


E por último, o livro é lindo. Terá momentos que você ficara tão bem o lendo, mas não posso enganar você, vai te fazer se sentir mal também. Alegria, tristeza, espanto...
Todos os sentimentos que um livro é capaz de passar eu senti e agora eu quero que todos possam lê-lo, que possam aprender assim como Charlie aprendeu. Quero que se sintam infinitos. O livro me fez pensar muito depois que eu terminei de ler, e ainda me faz. Fiquei um pouco triste quando eu conclui, mas a mensagem já tinha conseguido ser devidamente passada para os leitores, então está tudo bem.


Boa lição de vida. Bom livro. Então leiam. Comprem e leiam!

25964_417414505010065_82311883_n_large

24

Texto de Leitor


Tumblr_mhxcf9opne1r0i9t4o1_500_large

Tem algum texto seu que queira ver aqui? Envie-me. 
Klaus Paranayba, compositor de lindas poesias me enviou um ótimo texto em prosa, uma experiência de vida.
Ás vezes organizar a vida é como organizar a casa. Desocupar coisas velhas do coração pra deixar coisas novas e boas entrar. Leiam o texto, e levem para vocês. Para suas vidas.


“A Fé remove montanhas”
                                            Jesus


Por quanto tempo eu fiquei imaginado esse poder da fé? Até então, na minha vida prática, com minha fé, eu não consegui remover nenhum pequenino chumaço de algodão em cima de uma mesa.
Um dia eu resolvi fazer um mutirão na minha vida: desentulhar gavetas, guarda-roupas, carteira, porta-luvas de carro, e, principalmente, minha memória e meu coração. Aí eu percebi que até pra isso eu precisava – e preciso – ter fé. Fé em mim mesmo que eu conseguiria remover essa montanha de coisas que deixei para depois; principalmente pequenos compromissos que a gente vai adiando, e, se a gente não cuida, passa de um ano pra outro. Como resultado desse mutirão, retiramos de nossa casa algumas caixas de roupas, calçados e objetos que não usamos, três sacos com capacidade para cem litros cheios de papéis e uma caixa bem pesada de papéis para serem reciclados. Além disso tudo, eu fiz uma revisão em mais de dez agendas anuais que eu havia guardado com anotações que seriam importantes. Graças a Deus, após o pente fino, foram todas descartadas, sobrando algumas poucas páginas. Com a diminuição de pendências no meu subconsciente, minha mente ficou mais ágil e minha memória com melhor capacidade de  realizar registros. Sabe quando se descarrega a memória do computador e ele fica mais esperto? A sensação é parecida, e posso dizer: bem agradável. Aumenta a confiança em si mesmo e consequentemente melhora a auto-estima. O horizonte fica tão claro como se lavar o para-brisa de um carro após um lamacento rali.
Em outro dia, em um sítio aonde compartilhamos, de forma associada e solidária, atividades em finais de semana, tínhamos que remover aproximadamente ¼  de caminhão de brita e um pouco mais de dois caminhões de areia. Imagino que cada caminhão tivesse aproximadamente 6 m3. Naquele dia eu pude perceber que para nossa fé remover as pequeninas montanhas, precisaríamos de boas pás, bom carrinho de mão e disposição para poder deslocá-las, sob o intenso sol de verão paraibano. Nada subjetivo, nada abstrato, o negócio era e é botar a mão na massa e fazer o serviço. Naquela manhã fizemos, eu e mais três, bem mais da metade daquele trabalho.
Depois dessas experiências percebi que não seria possível colocar algumas montanhas do Himalaia no deserto Saara para dar vida àquele areal, nem tampouco parte das Cordilheiras dos Andes no agreste nordestino para ressuscitar tantos rios que se mudaram.
Se somos montes ou montanhas, que haja sempre em nós a fé necessária para nos remover para um plano de mais luz, prosperidade, amor, firmeza e paz.




Klaus Marcus Paranayba
Escritor e Poeta
20/01/2013
6